Requalificação da EN 16

Autarquia de Celorico da Beira, executa requalificação da EN 16, numa aposta clara de melhorar as vias de acesso a Celorico da Beira, investindo cerca de um milhão de euros.

Encontram-se neste momento a decorrer obras de beneficiação, da Estrada Nacional N. 16, junto das Freguesias da Ratoeira e Lageosa do Mondego, um investimento de cerca de um milhão de euros comparticipado a 85% pelo Programa Operacional + Centro, sendo o restante suportado pela Autarquia.
Estas obras, podem causar certos constrangimentos em termos de tráfego, principalmente em dias em que as condições atmosféricas são adversas.
A empreitada em causa integra-se numa candidatura designada por “Beneficiação da Rede Viária no Concelho de Celorico da Beira”, na medida em que as atuais vias principais sofreram acelerada degradação dos pisos por imperativo da introdução de portagens na A25, que fez com que muitas viaturas procurassem vias alternativas.
Procurou-se através da hierarquia e estrutura da rede viária na zona de intervenção, estabelecer um padrão de acessibilidades e uma demarcação das zonas, consoante o seu estado atual de ocupação que será o mesmo após a intervenção da beneficiação.
Assim sendo, foi proposto, a pavimentação em betão betuminoso, melhoramento das condições de drenagem e execução de sinalização vertical e horizontal, contribuindo assim, para a diminuição da sinistralidade rodoviária, melhorando a segurança e a qualidade de serviço prestado às populações locais e aos visitantes. As necessidades de mobilidade aumentam de forma exponencial, em consequência da valorização e do desenvolvimento económico e social.
As intervenções inerentes a este projeto, visam promover a segurança e reduzir a sinistralidade rodoviária, bem como a coesão e qualificação regional, reforçando a competitividade empresarial e articulação inter-regional.
Deste modo, dado que a atual estrutura viária apresenta um perfil transversal uniforme condicionado apenas pelo seu estado de degradação, nomeadamente quanto ao traçado, houve o cuidado de manter o existente.
Optou-se pela solução definida no projeto de forma a evitar expropriações de terrenos e de modo a que a proposta se enquadrasse nos limites atuais da via.
Serão tidas em atenção as pré-existências, devendo ser mantidos os passeios existentes, designadamente na Ratoeira e Lageosa do Mondego, procedendo à reparação de pequenos troços que se encontrem danificados.
A beneficiação desta via incide fundamentalmente no reforço da pavimentação da faixa de rodagem devido ao seu estado de degradação, bem como definição da sinalização de segurança (vertical e horizontal) e drenagem de águas pluviais em toda a sua extensão.  
Na zona dos nós com a A25, no 1º nó (acesso à A25, sentido Vilar Formoso – Aveiro) será construída uma rotunda de forma a regular e disciplinar o trânsito. Quanto ao outro nó, propõe-se que se mantenha como atualmente, substituindo apenas o pavimento.
A ciclovia desenvolve-se desde o início da obra (rotunda da Cova da Areia) até ao entroncamento – acesso à Quinta das Campanárias (Lageosa do Mondego), registando-se algumas interrupções, decorrentes da largura disponível da plataforma.
A referida ciclovia e placas centrais serão em betonilha pigmentada à cor vermelha e serão rebaixadas nas zonas de entrada de garagens e passagens para peões, dando deste modo cumprimento às regras de mobilidade e acessibilidade.
Na freguesia de Lageosa do Mondego, entre os “PK 4 + 297” (junto ao Café Restaurante Tó-Zé) e o “PK 4 + 879” (fim da ponte sobre a Ribeira da Cabeça Alta), a pavimentação será efetuada com recurso a cubos de granito, encontrando-se este pavimento a uma cota superior à do betuminoso (calçada sobre – elevada). Neste troço, estão propostas passagens para peões, utilizando como material o calcário.
Na restante extensão, as passagens para peões, serão pintadas, sobre o betuminoso.
Apresenta-se em anexo excertos de alguns troços exemplificativos do traçado e respetivos perfis transversais – tipo.  
O Município de Celorico da Beira, apesar de todas as dificuldades que tem, está a fazer uma aposta clara no investimento, permitindo melhorar as vias de acesso, com o intuito de quem circule possa “evitar” às portagens das auto-estradas.
O Município de Celorico Beira, ciente dos normais constrangimentos causados pela referida obra, solicitou uma reunião no dia 03 de Janeiro do corrente ano ao Secretário de Estado das Obras Publicas, Transportes e Comunicações, no sentido de o Município expor alguns dos constrangimentos que se estão a verificar devido às referidas obras de beneficiação, propondo que caso não existam alternativas viáveis para circulação, que se suspenda a cobrança de portagens resultantes da utilização do troço A25 (pórtico GALP – Ratoeira), durante o período em que as obras de beneficiação decorrerem, tendo este mesmo pedido sido reiterado a 5 de Fevereiro.