Maçal do Chão

Maçal do Chão

População: 160

Dista da Sede de Concelho: 13 km

Área: 1549 ha

Festividades

Festa de S. Brás (2 Fevereiro)
Festa de Sto. António (13 Junho)

Património

Infra-estruturas educativas
Jardim de Infância de Maçal do Chão
Escola Primária de Maçal do Chão

Infra-estruturas de saúde
Posto de Médico (inactivo)

Infra-estruturas sociais desportivas e culturais
Sede de Junta de Freguesia
Forno Comunitário
Clube Recreativo de Maçal do Chão
Associação de Melhoramentos de Maçal do Chão
Sala de Espectáculos
Biblioteca

Locais a visitar
Igreja Matriz
Capela de S. Brás
Pelourinho
Cruzeiro
Pedra da Moura
Penedo da Saudade
Fonte da Lapa

Notas Históricas

Constituindo, a nascente, a divisão do concelho de Celorico, Maçal do Chão é uma freguesia que limita quatro concelhos: Celorico, Trancoso, Pinhel e Guarda; confrontando a Norte com as freguesias de Carnicães e Vilares no concelho de Trancoso, a Sul e Oeste com as freguesias da VelosaBaraçal e Minhocal do concelho de Celorico da Beira, a Noroeste, Boça Cova do concelho de Pinhel, e a Sudeste, a freguesia de Vila Franca do Deão no concelho da Guarda.
Freguesia com um único lugar, Maçal do Chão, teria tido outro nome –  Lamaçal – devido ao grande lamaçal que ali se constituía por altura das chuvas e que por perda da primeira sílaba, se designa na actualidade Maçal do Chão.
Sendo antiga comenda da Ordem de Malta, no tempo da reconquista, Maçal do Chão encontra a sua origem em tempos muito mais remotos, provavelmente no tempo em que os romanos aqui exploraram o estanho.
Durante as invasões francesas, também Maçal do Chão foi ocupado, tendo sido destruído parte do património existente. Apenas pouparam alguns monumentos religiosos, caso da Igreja Paroquial.
Distando 13 km da sede de concelho, possui um apeadeiro da Linha da Beira Alta, sendo servida pelos regionais, que se destinam à Pampilhosa, Guarda ou Vilar Formoso.

Lendas e Tradicções

Durante as invasões, os franceses chegaram ao lugar de Maçal do Chão. Ocuparam a aldeia, espalhando o terror por todo o lado, ora pilhando, ora destruindo e incendiando, ora matando aqueles que se opunham aos seus actos.
Conta-se que os franceses chegando à Igreja Matriz que é dedicada a St. Estevão, e estando a preparar-se para destruir e incendiar a Igreja , eis que um soldado repara que num dos altares se encontrava a imagem de St. Luís, rei de França, idolatrado pelos franceses, que por isso teriam poupado a Igreja de Maçal do Chão.

Toponímia
Maçal do Chão tem duas fontes de mergulho, chamando-se uma delas Fonte do Veloso, provavelmente devido à família Veloso Aragão Cabral, uma antiga família importante da freguesia, cujos imóveis teriam sido destruídos pelos franceses.
Topónimos religiosos: olival de S. Bento. Instituições Sociais: pendão, coutada, prazo, galé. Zoologia: malhada das vacas, corveiro, vale do galgo. Orografia: lapinha, penedo serrado, lage do fidalgo.